sábado, 14 de junho de 2008

Nas Rodas do Sonho


Estou na praia, sozinha no meio de uma multidão, a família foi tomar um banho… Olho a imensidade do mar e o azul do céu como que a tocar-se num beijo eterno. E saio da realidade, sonho?...
Sonho com um mundo de justiça e solidariedade, um mundo onde o amor exista como oferta de cada um ao outro, por mais diferente que ele seja.
Sonho com um mundo onde o egoísmo se tornou uma quimera porque simplesmente se diluiu na água do mar azul da Praia do Pedrógão.
Sonho que um dia haverá uma praia cuja areia faça deslizar suavemente os “deficientes” para tomar o seu banho levados por cadeiras, cujas rodas foram substituídas pela brisa que as leva até à beira mar. Sonho com o dia em que as muletas se transformam em asas brancas e em cada rosto brilha o sorriso da alegria e da surpresa…
Neste fim de tarde, sentada comodamente na esplanada da areia, ouço o barulho das crianças a brincar, o riso dos jovens e adultos que conversam animadamente…
Tomo uma bebida refrescante, aparentemente faço parte do grupo que por ali está sentado e sou mais uma, não fora a minha "muleta" encostada à mesa, tudo seria igual.
No entanto há em uma nostalgia e uma saudade que faz a diferença, há uma vida escondida e inacessível aos outros, há uma experiência de sofrimento vivido que já ultrapassou os limites da existência e me fez ir e voltar… Há ainda uma sensação que faz vibrar o meu coração e o faz voar até ao AMOR.
Sinto o cheiro e oiço o barulho do mar que se estende até perder de vista e uma onda chega junto de mim como uma melodia que me embala e leva ao colo até ao infinito, até Deus…Deixo-me levar por essa onda de paz, por este brilhante encantamento dos raios de sol que se confundem com a areia e com o azul do mar…E VOU…
Tudo é claro e simples, não há medos nem pressões, nem saudades, o Deus da paz - do descanso - vem ao meu encontro fazendo-me perceber que em lado nenhum tinha sido tão ansiosamente desejada.
Há uma mão que me acaricia, há uma voz que sussurra docemente: “Não tenhas medo, estava à tua espera... Sempre esperei por ti e sabia que um dia virias”.

Alice (Praia do Pedrógão em 2006)

Este é a primeira partilha que vou publicar e por isso ela dará o nome a este meu blogue.

4 comentários:

Regina disse...

Gosto muito, faz render o teu talento, porque tu consegues tudo. Espero por mais. Beijinho.

Paula disse...

Amiga

Estarei por aqui, seguindo fielmente as rodas deste teu sonho...
... porque é uma forma de ter mais perto...
...porque aprendo sempre contigo..
...porque és para mim sinal visível do amor de Deus...

Leonor disse...

Belo texto! :) Gostei!

Muitos beijinhos*

Carla Fernanda disse...

Que beleza de texto que acaba nos trazendo tanta esperança querida!!!

Lindo demais!!

E com certeza, a nostalgia e a saudade que fazem a diferença...

Beijos